18.7.14

Seminário "A potencia do precário em favelas e ocupações", evento integrante da mostra "O comum e as cidade

Seminário "A potencia do precário em favelas e ocupações", evento integrante da mostra "O comum e as cidades" Cartografias do Comum, no próximo dia 24/07, às 14 hs, Espaço do Conhecimento/UFMG, com pesquisadores do PRAXIS/EAUFMG.
Temática: A potência do precário em favelas e ocupações
24 de julho | 14h

A produção social do espaço em favelas e ocupações em torno dos interesses, demandas e desejos comuns revela a potência do precário na busca por outras práticas possíveis. 
O Seminário abordará a produção hegemônica do Estado e as ações adotadas pelos moradores e pela Universidade na transformação desses territórios. 
Apresentações, debate e lançamento do documentário “Diálogos com a Ocupação Eliana Silva” Convidados: | Pesquisadores do grupo Praxis/EAUFMG | Denise Morado, Junia Ferrari, Marcela Brandão, Eduardo Bittencourt, Cecília Reis

______________________________________

Sobre o Cartografias do Comum:
https://www.facebook.com/pages/Cartografias-do-Comum/241739899361022?fref=ts

Este evento faz parte do Cartografias do Comum, resultado da articulação entre o Espaço do Conhecimento UFMG e o grupo de pesquisa Indisciplinar da Escola de Arquitetura da UFMG. A mostra agrega uma série de atividades, como debates, oficinas, filmes, seminários e a exposição e foi totalmente realizado com a participação horizontal de grupos, coletivos e movimentos sociais de Belo Horizonte que pesquisam e atuam na construção do comum.

A potência transformadora das ações desenvolvidas por grupos culturais e sociais em Belo Horizonte pode ser sentida na prática, por meio de trabalhos e intervenções que ocupam os mais variados espaços da cidade. As pautas são diversas e nem sempre confluentes, incluindo temas como mobilidade urbana, expressões artísticas das ruas, gênero e culinária. Dentro dessa multiplicidade de visões, os coletivos compartilham de uma nova lógica de produção cultural e de participação política, orientada pelo princípio da horizontalidade, ou seja: sem hierarquias. Os aspectos que constituem essa forma de pensamento e os novos caminhos traçados por suas ações serão retratados na mostra “O Comum e As Cidades”, que nasceu a partir de discussões abertas com os coletivos.

Confira a programação completa aqui:
http://www.espacodoconhecimento.org.br/?p=8813